Anúncios
Skip to content

Revisão: células haploides e diploides

Um tema muito visitado no meu Blog.

Vamos revisar?

Anúncios

Germinação das Sementes

Um dos experimentos que mais fazemos em sala de aula é o clássico  plantar sementes de feijão no algodão.

Muitos Professores, nas formações, me perguntam se ainda está em uso fazer isso. Tenho muitas respostas , mas a resposta comum para essa pergunta é outra pergunta: Por que não estaria mais em uso?

Esse tipo de observação poderá levar a muitos tipos de aulas com diferentes objetivos.

feijao-copo1-1024x764

Observar …

A única coisa que não dá para fazer, neste tipo de experimento, é plantar e deixar a criança levar para casa. Deixe a semente em sala, promova momentos de observação e registre. Ajude os alunos a observarem e registrarem. Faça perguntas e incentive o levantamento de impressões, hipóteses , chutes…

O errado é o certo. Não deixe de registrar tudo.

hqdefault

14846625_L3DGJ

experic3aancia-feijc3a3o-003

 

Perguntas…

Faça as perguntas e arrume a experiência para que obtenha as respostas. Por exemplo: o que é necessário para a semente germinar?

Monte uma experiência controlada e deixe as hipóteses aparecerem.  Deixe, também, as perguntas “rolarem!” Isso sim é Ciências.

Dúvidas…

Muitos alunos, principalmente os menores, não sabem de onde surge a plantinha da semente. Uns acham que a água faz uma mágica ou que a semente se transforma em uma planta.

Uma das coisas que faço é mostrar o embrião dentro do feijão. Com um pouco de paciência e colocando o feijão de molho na água por algumas horas, você abre a semente ao meio e mostra a plântula.

Não precisa dar os nomes todos… Mas mostre.

imagem2

Um vídeo vale muito.

O vídeo que mostra a germinação de maneira rápida, também ajuda muito. Mas nada substitui o experimento.

Mapa Mental – Seres vivos

Você já procurou estudar com um mapa mental?

Eu faço isso com os alunos. Primeiro, montamos juntos um e depois cada um monta o seu.

Mapa mental não é para aprender nada do zero, é para ajudar a organizar o monte de coisas que tenhamos que saber para fazer uma prova ou falar de algo.

Veja o exemplo abaixo. Clique na Imagem para que o Mapa fique dinâmico:

seres vivos1

Jogos para Aprender Ciências

Mais um pedido de Sugestão de Aula.

Estou realmente me divertindo e achando que se tem muito o que trocar. O pedido deste artigo vem de uma querida leitora Nilce Siqueira de Lima Damião. Ela fez o pedido com um tipo de aula muito legal: Jogos

Então… Vamos nós?

aula jogo

A Criatividade realmente é uma habilidade que tem que ser trabalhada em Ciências. Sempre imaginamos essa criatividade sendo trabalhada em áreas como artes, línguas… Mas o Cientista é um cara criativo e vejo o Professor também.

O jogo que  proponho é um jogo conhecido por todos: Cara-a-Cara.

Lembra, como é? Coloca-se um monte de carinhas de pessoas e se tenta adivinhar a pessoa que seu amigo escolheu pelas características delas. O importante é que as respostas têm que ser sim ou não.

Agora, substitua as caras por animais ou seres vivos. Primeiro, antes do jogo organize as características que você quer trabalhar e sistematize os conceitos.

  • Pluricelular? Unicelular?
  • Heterotrófico? Autotrófico?
  • Tem pêlo? Escamas?
  • Vive no mar?

Depois desse trabalho e então vá para o jogo.

Geralmente, uso imagens disponíveis na internet. Preto em branco mesmo. E dou para os alunos ( para cada um) uma folha com vários seres vivos. Escolhidos por mim. Por quê? 

Porque escolho animais ou seres vivos variados. Mamíferos, peixes, invertebrados, amebas, plantas, cogumelos… Já tentei usar as imagens que os alunos trazem, mas daí temos que fazer uma pré seleção ( até porque a dupla que vai jogar tem que ter o mesmo conjunto de seres vivos) e entramos nas saias justas: usei mais imagens de fulano e nenhuma de sicrano. Para evitar isso, levo as imagens !

Peço para cada aluno pintar e observar as imagens. Depois lembro as regras do cara a cara. Cada aluno em dupla, um de frente do outro, fica com uma ficha de imagens e eles fazem uma barreira entre eles ( com livros) e cada um escolhe um ser vivo.

Depois começam as perguntas. 

  • É unicelular ? ( o colega só pode responder sim ou não)
    • Se sim , exclui -se os pluricelulares. Se não, exclui-se os unicelulares.
  • É heterotrófico?

Veja que vai aparecer dúvidas e ai entra sua estratégia:

  • Pode olhar no caderno / livro
  • Pode perguntar pra você.
  • Pode perguntar ao colega.

Em cada sala de aula, cada turma a estratégia é diferente. Cabe a você, combinar.

Criatividade

supertrunfo

E a criatividade?

Existe um Jogo que se chama Baralho Animal. Que tal fazer os alunos montarei essas cartas como se fosse um super trunfo? 

Combine as características e como será a pontuação.

Pluricelular mais bem pontuado / Autotrófico mais pontuado/ …

E cada um monta um grupo de cartas ( 10 para cada um) e depois eles jogam.

bichos3

Para montar o Cara – a – Cara …

Use esse link: Cara- a – Cara

Ou simplesmente use uma ficha como essa:

cara a cara

Espero ter ajudado!

 

 

Aula sobre Diversidade

Muito legal ver o interesse dos Professores de querer fazer diferente. No artigo, Sugestão de Aulas, tive muitas repostas. E para a minha supresa, a Maria escreveu como trabalha nas turmas de 6o e 7o anos ( acredito que seja mais para o 7o ano) o tem diversidade de seres vivos.

Vou compartilhar aqui um resumo e comentar.

plano de aula

O que mais me chamou atenção é o protagonismo que essa Professora dá aos alunos. Ela não fica falando, falando e falando. Ela faz uma espécie de jogo e os meninos se envolvem com a aula. O importante aqui é ver que ela trabalha termos como revestimento, locomoção… junto com o jogo de adivinhação. Já fiz isso como um Cara – a – Cara ( lembra do Jogo ?) animal. Muito bacana mesmo.

Outro ponto importante são os objetivos. Repara que ela não lista um monte de objetivos. Quando usamos 1 ou 2 objetivos podemos ter tempo de trabalhar, ficamos menos ansiosos em chegar lá.

volta-as-aulas-1

Mas vamos a algumas ideias para somarmos as ideias da Maria.

Olhe para as habilidades que estão listadas no plano de aula. 

Entenda que as habilidades cognitivas são mecanismos do cérebro que estão relacionados com processos de aprendizagem e de memorização de informações. Por vezes, confundimos isso com os nosso objetivos. Os objetivos ajudam nas habilidades e um conjunto de habilidades formam uma competência.

Neste caso as habilidades e os objetivos se confundem. O que gosto é de traçar habilidades transversais, que serão trabalhadas em vários momentos ( junto com vários objetivos) no ano.  Atenção, novamente escolha uma ou duas ( acho que duas já é demais) para trabalharmos por aula ou aulas.

A habilidade que eu seleciono para esse tipo de aula é:

Relacionar diferentes seres vivos aos ambientes que habitam, considerando características adaptativas.

Bom… Você está pensando assim: Não dá para esgotar essa habilidade em uma aula. Por isso, ela é transversal. Não dá mesmo e ela tem que ser trabalhada em vários anos de escolaridade.

Então… vejamos aos objetivos?

Reconhecer a diversidade dos seres vivos temos que relacionar com o meio ambiente onde vive. Vamos aos exemplos?

Pergunte ao seu aluno porque um urso polar tem pelos e um camelo poucos pelos. Coloque esse ser vivo no meio e mostre que existe uma relação entre os dois. A diversidade só tem sentido se ligarmos ao meio.

Uma ideia é pedirmos para o aluno fazer desenhos do animal ou planta no ambiente onde está e trabalhar isso.

Respeitar os seres vivos.

O respeito aos seres vivo se dá quando conhecemos esse ser vivo. Não caia na besteira de dizer que um ser vivo é importante para o ser humano e que por isso ele deve ser preservado. Não é bem assim.

Mostre a diversidade, mostre filmes bacanas que ilustram a diversidade. Fale, debata e dê voz aos alunos.

E como a Maria bem fez… Dê protagonismo a eles. É isso que a meninada gosta e vamos combinar, fica mais legal mesmo.

Uma ideia de documentário que gosto de passar é o Life (BBC):

Você quer outras ideias? Preencha o nosso formulário:

Clique aqui na imagem!

aula1

Flores Fedorentas

Talvez, sempre imaginamos flores com perfumes, mas a natureza nos surpreende sempre.

Um processo longo de seleção natural fez com que algumas flores ficassem super fedorentas e não é porque elas fazem um estilo diferente e sim por causa de seus polinizadores.

Vamos a alguns exemplos?

flores-que-cheiram-mal-1

Aristolochia gigantea

Essa flor, que é nativa do Brasil (em especial do estado da Bahia) emite um cheiro horrível de fezes que atrai abelhas e outros insetos. É também conhecida como Erva-de-Urubu, Mil-Homens, Mata-Porco e Papo-de-Peru.

flores-que-cheiram-mal-2

Stapelia Gigantea

Oriunda do sul e do leste da África, essa flor é também conhecida como Flor-estrela, Estrela do mar africana, Flor carniça ou Planta sapo. Seu cheiro muito forte é semelhante ao de carne podre, atraindo insetos que ajudam em sua polinização.

flores-que-cheiram-mal-4

Dead Horse Arum Lily

A Dead Horse Arum Lily, de nome científico Helicodiceros muscivorus, possui uma aparência até simpática, mas quando chegamos perto podemos sentir um dos aromas mais terríveis do mundo. Nativa da Córsega e das Ilhas Baleares, essa flor possui um cheiro de carne podre capaz de assustar a qualquer um, menos os insetos, que se sentem atraídos por esse odor.

flores-que-cheiram-mal-6

Dracunculus Vulgaris (Serpentária)

Dracunculus vulgaris Schott, também chamada de serpentária, é uma planta da família das aráceas, originária da Península Balcânica e sudeste da Europa. Apesar do seu cheiro podre e de ser venenosa, é cultivada como planta medicinal, pois seus tubérculos são comestíveis.

flores-que-cheiram-mal-10

Bulbophyllum phalaenopsis

Já imaginou chegar perto de uma flor e sentir cheiro de carne podre que atrai até moscas? É esse o cheiro super desagradável da Bulbophyllum phalaenopsis, uma espécie de orquídea oriunda da Nova Guiné. Existem várias cores dessa flor, e embora seu cheiro não seja nada bom, é uma das orquídeas mais cultivadas do mundo.

Sugestões de Animações

Dar aulas é sempre procurar novidades. E eu na busca de coisas novas para animar os alunos, encontrei duas animações ( desculpe-me a redundância ) bem interessantes.

É muito complicado mostrar para alunos a passagem de tempo. Tempo é um tanto complicado. Não dá para dimensionar 1 milhão de anos. Principalmente, se o menino viveu 12 anos.

Para ajudar, podemos usar animações. Vejam as duas.


 

Dá para trabalhar muita coisa na Árvore da Vida. Apresentar os Reinos em um olhar mais evolutivo. Além de apresentar as eras. Veja o tanto que podemos trabalhar nessa animação.

A outra a animação, Tempo Geológico, mostra de uma maneira bem didática como Darwin intuiu a datação dos fósseis. Olhe bem como podemos propor uma parceria com Matemática.

Para ver as animações clique nos links abaixo:

Árvore da Vida

Tempo Geológico

educacao-ilustracao-desenho-material-escolar-©-cienpiesnf-Fotolia

Vídeo da Universidade das Crianças

Por que vemos tudo colorido?

Esse vídeo é um excelente exemplo de como explicar conceitos mais complexos para crianças. Temos a ideias de que certos conceitos não são alcançados por crianças, mas temos sempre uma maneira de explicar para eles.

No Blog do meu amigo  , Educa Tube,  temos outros exemplos.

uni

MRU & MRUV

Esse artigo é para alunos do Ensino Fundamental. Por isso, entenda que é para ser uma introdução dos assuntos.

Vamos lá?

Para você ver as construções de gráficos, clique na imagem abaixo e brinque com as animações:

mru

Para baixar o slide, clique aqui: MRU & MRUV

 

Aula Síntese – Órgãos Análogos e Homólogos

Uma aula síntese para o Ensino Médio sobre os órgãos Análogos e Homólogos. Está super resumido para só estudar.

images-13

1 2 18
%d blogueiros gostam disto: