Skip to content

Aprender é fazer …

Muita gente intui isso, mas o Professor de Ciências sabe que no final se o aluno faz, ele aprende.

Quantas vezes você não está se virando de cabeça para baixo para explicar no quadro um conceito e quando faz a experiência em sala… o aluno diz: “Ah, mas é isso?”

Então… por mais trabalhoso que seja coloque a mão na massa. Eu vou tentar ser ao mesmo tempo sonhadora e pé no chão neste artigo.

Em um futuro próximo…

Adoro imaginar como seria a nossa escola com todos os avanços tecnológicos incorporados à ela. Imaginem, façam esse exercício juntos… Olhem esse vídeo e transponha a experiência para a escola.

 

Se você pensa que isso está muito distante da escola, pode estar certo. Mas temos que olhar para isso e imaginar: o que faríamos com essa tecnologia?

Eu faria muito. Colocaria na minha escola em um ambiente preparado para isso, uma sala grande, uma quadra. Levaria os alunos, deixaria a turma interagir e se divertir. Mas no lugar dos personagens da Disney, eu teria colocado no programa células, átomos, bactérias, dinossauros, insetos, plantas…

Imergir em um mundo totalmente diferente, faz com que o cérebro se ative, estimulando novas sinapses e o menino aprende.

Não levaria a turma com um roteiro pré definido, ou com um questionário… Levaria a turma para uma aula em um outro ambiente e deixaria a magia acontecer.

No aqui e agora…

Bom.. você deve estar pensando: minha escola mal tem giz e você enlouquece com a realidade aumentada. Está certo(a), Professor(a)! Mas temos que nos dar ao direito de fazer diferente e sonhar.

Para fazer diferente, não precisamos de tanto, porém precisamos dos mesmos princípios: experimentar, arriscar e deixar a magia acontecer.

A magia pode acontecer de várias maneiras e com uma simplicidade que só o cientista e a criança conhecem.

 

Vejam que aqui os recursos são simples: uma folha de papel para servir de base, tiras de papel alumínio, uma bateria tipo moeda e uma lâmpada pequena de led.

Pronto… deixe a magia acontecer.

Dependendo da criança, da idade e dos seus objetivos dá para ensinar muita ali.

Por que tem que ter duas tiras de alumínio?

E se eu trocar o alumínio por tiras de borracha?

Por que a menina teve que “virar o Led”?

E se colocarmos mais leds? Funciona?

Formando pessoas que pensam Ciências…

Pensar ciências não é só colocar um conjunto de definições na cabeça dos meninos. Temos que alfabetiza-los cientificamente. Reparem no vídeo. As meninas, incentivadas pela Professora, tentam até conseguir. Uma ajuda a outra, dá palpite e conseguem. A alegria de conseguir é o troféu no fim.

Isso é pensar cientificamente. Usar a capacidade cerebral para fazer e ao fazer, aprender. Ao aprender, poder repetir o que foi feito e relatar.

Por isso, não deixe de sistematizar. Faça pequenos resumos, faça desenhos com os alunos, registros em grupos e individuais.

Assim o cérebro aprende. Deixe as crianças se surpreenderem e deixe a magia acontecer.

“A imaginação muitas vezes conduz-nos a mundos a que nunca fomos, mas sem ela não iremos a nenhum lugar.”

― Carl Sagan

 


Para saber mais: PORVIR – Diário de Inovação

Anúncios

2 Comments »

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: