Isso mesmo! Perece que, segundo o diretor de engenharia da Google Ray Kurzweil, em 2030 nossos cérebros serão um híbrido de máquina e ser humano.

cerebro-abre

De assustar, mas a ideia é que nanobots de DNA poderiam ser usados para transformar humanos em seres híbridos. Poderíamos assim ter acesso a uma diversidade enorme de informações sem a intermediação das máquinas.

“Vamos nos misturar gradualmente para nos tornarmos melhores. Na minha visão, essa é a natureza do ser humano, nós transcendemos nossas limitações”, declarou o diretor. “Vamos conseguir isso e pensaremos na nuvem. Vamos colocar gateways para a nuvem nos nossos cérebros.”

Claro que há todo um lado positivo, poderíamos ter mais tempo para outras atividades. Não teríamos que armazenar tantas informações em nosso hardware de fábrica ( nossos cérebros). Mas como tudo, pensemos que pode ser negativo. Imagina: podemos colocar filtros no cérebro de determinadas pessoas, assim elas só acessariam o que a gente deixasse. E como seria a tradição oral, passada de pessoa para pessoa? Morreria?Ficaria diferente?

Mas Kurzweil alerta quando ao risco do avanço no campo da inteligência artificial. “O fogo nos matém aquecidos e nos permite cozinhar, mas também queima nossas casas. Toda tecnologia tem seu potencial e seu risco”, declarou.

O filósofo Nick Bostrom, que escreveu o livro Superintelligence: Paths, Dangers, Strategies, em 2014, disse que seria uma “grande tragédia” caso a inteligência artificial nunca chegasse a ser desenvolvida. “Acredito que o caminho para o melhor futuro possível é pela criação de máquinas inteligentes, em algum momento”, declarou o filósofo, em entrevista ao IB Times.

Temos que pensar. Talvez, seja esse o caminho que tenhamos que tomar, no entanto temos o dever de nos preparamos para ele.

10603569_861627267188565_1866526911618207405_n

Anúncios