As angiospermas são plantas com frutos, que conquistaram definitivamente o ambiente terrestre. São mais complexas e possuem o Ciclo de vida mais especializado. Vamos a ele.


A Flor:

A flor  ( que é um conjunto de folhas modificadas) é uma ramificação de crescimento limitado, que apresenta quatro tipos de folha modificada (verticilos), sendo dois verticilos férteis: o androceu (o conjunto de estames) e o gineceu (o conjunto de pistilos); os dois verticilos estéreis- que formam o perianto – composto pelo cálice (de cor verde e formado por sépalas) e pela corola (de cores vivas e formada por pétalas). As flores podem ser hermafroditas ( dióicas), mas também existem flores unissexuais ( monóicas). A forma da flor é de grande importância para a classificação das angiospermas.

O Ciclo de Vida:

Na parte masculina da flor ( o androceu), encontramos os estames onde estão os sacos polínicos. Nestes sacos polínicos encontramos as células -mães dos esporos, que por meiose se dividem em esporos haplóides.  Esses esporos, dentro dos sacos polínicos, sofrem mitose e se transformarão no gametófito masculino ( os grãos de pólen).

Na parte feminina ( o gineceu), dentro dos ovários, existem um ou mais microsporângios ( óvulos) presos ao ovário por um pedúnculo. Cada óvulo possui um tecido ( nucela), que protege dois tegumentos- primina ( mais externo) e secundina ( mais interno). Na nucela,  a célula -mãe do esporo sofre meiose e origina 4 megásporos ( Haplóides), dos quais só um sobrevive. Este sofre 3 divisões por mitose e forma uma massa de citoplasma com 8 núcleos hapóides,dois destes núcleos ( núcleos polares ) migram para o centro do pólo e se unem, formando um saco embronário com : a oosfera, três núcleos ( antípodas – que se degeneram) e mais dois núcleos ( sinérgides), além dos dois núcleos polares.


A Polinização:

Os grãos de pólen podem chegar ao gineceu pela ação do vento ou da água ou pelos animais. Ao chegar ao gineceu , o grão de pólen forma um tubo polínico , que cresce em direção ao ovário. Dentro deste tubo, o núcleo da célula geradora se divide e forma duas células espermáticas haplóides que funcionam como gametas masculinos.

Chegando ao ovário, essas células fecundam o óvulo, fazendo o que chamamos de fecundação dupla – uma característica das angiospermas. Uma célula  espermática se funde a oosfera gerando um zigoto ( diplóide) e a outra se funde aos dois núcleos polares, formando por sucessivas mitoses o endosperma da semente ou albúmen ( que serve de reservatório de nutrientes para o embrião). O zigoto faz vários mitoses e se transforma em embrião.

Após a fecundação, o ovário se transforma em fruto, que servirá para ajudar a disseminar as sementes.

Anúncios